Buscar
  • Ivan Kleber

Cremego suspende registro profissional de ginecologista suspeito de abusar de pacientes



O Conselho Regional de Medicina de Goiás suspendeu o registro profissional do ginecologista Nicodemos Júnior Estanislau Morais, suspeito de abusar sexualmente de diversas pacientes em Anápolis, a cerca de 60 km de Goiânia. A decisão tem validade de seis meses podendo ser prorrogada por outros seis.

O Cremego afirmou também que a suspensão foi decidida em uma reunião do conselho realizada nesta terça-feira (5) e já foi comunicada ao médico. O órgão abriu um processo ético-profissional para apurar as condutas de Nicodemos no mesmo dia em que ele foi preso, no dia 29 de setembro.

Ginecologista foi denunciado por 53 mulheres

De acordo com a Polícia Civil (PC), 53 mulheres já denunciaram o ginecologista por abuso sexual desde sua prisão, na última quarta-feira (29). Nicodemos já havia passado por audiência de custódia e o juiz decidiu mantê-lo em prisão preventiva. Entretanto, uma nova decisão o colocou em liberdade nesta segunda-feira (4).

O advogado dele, Carlos Eduardo Gonçalves Martins, disse ao G1 que ele terá que usar tornozeleira eletrônica e não poderá exercer a profissão. “O juiz entendeu que ele não preenche os requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal, que ele não vai atrapalhar as investigações, que ele tem residência fixa, que ele é réu primário”, disse o advogado.

Ao Mais Goiás, a delegada responsável pelo caso, Isabella Joy, contou que das denúncias registradas até agora 52 são de violação sexual mediante fraude e uma é de estupro de vulnerável, referente a uma jovem que tinha 12 anos de idade à época em que o médico teria cometido o abuso.

A delegada informou também que uma das denúncias diz respeito a uma cirurgia que Nicodemos Júnior teria oferecido a uma paciente em troca de sexo.

A promotora responsável pelo recurso, Camila Fernandes Mendonça, afirmou que a prisão é necessária para garantir que outras vítimas procurem a justiça. Além disso, é importante também para que as que já denunciaram sintam-se livres e destemidas para reiterar os fatos em juízo.

Por fim, a promotora ressaltou que que algumas mulheres relataram que sentem medo de prosseguir com as denúncias e de que algo possa acontecer a elas com o médico em liberdade.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo