Buscar
  • Ivan Kleber

Viúva de dono de cartório admite à polícia que encomendou o crime.


Em novo interrogatório, suspeita de ser a mandante do crime confirmou que encomendou morte do marido por R$ 100 mil em Rubiataba (GO).


Relatos de fúria, traição com gays e violência doméstica marcaram o novo interrogatório da viúva do dono de cartório assassinado, há 10 dias, com 17 tiros e mãos algemadas para trás, em Goiás. Ele foi morto em um canavial de Rubiataba, no centro do estado, a 210 km de Goiânia. Presa, ela admitiu ser mandante do crime, encomendado por R$ 100 mil. “Mais ódio dele”, disse.


A viúva disse que, há três anos, passou a ter vontade de matar Luiz Fernando Alves Chaves, de 40, com quem teve um casal de gêmeos, de 5, e uma menina, de 3 – as crianças ficaram com os avós paternos após o crime. Ela afirmou que, na época, estava grávida da caçula e descobriu supostas traições dele com gays.


“A vontade de matar Luiz Fernando se iniciou em decorrência de que descobriu os relacionamentos homoafetivos de Luiz Fernando”, diz um trecho do inquérito. A viúva afirmou que, depois de descobrir as traições, passou a ser ameaçada de morte por querer acabar com o casamento, que completaria nove anos no próximo mês de julho.


Inicialmente, a polícia suspeitou que ela estaria interessada no dinheiro do seguro de vida de Luiz Fernando, cujo valor não foi divulgado, mas o caso ganhou novos capítulos após a mulher expor a vida conjugal do casal, durante o segundo interrogatório.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo